Município do Prado encerra 2016 com equilíbrio nas contas públicas Município do Prado encerra 2016 com equilíbrio nas contas públicas
Décimo terceiro e salário do mês de dezembro. Em 2016 muitos estados – país afora – decretaram falência e outros tantos municípios enfrentaram dificuldades... Município do Prado encerra 2016 com equilíbrio nas contas públicas

Décimo terceiro e salário do mês de dezembro. Em 2016 muitos estados – país afora – decretaram falência e outros tantos municípios enfrentaram dificuldades além da sua capacidade financeira. A consequência disso foi simplesmente a falta de pagamento para funcionários e fornecedores. 

Ao tomar posse do mandato no último dia 1º de janeiro, muitos prefeitos receberam a difícil missão de reequilibrar as contas e arrumar dinheiro para pagar essa dívida.

Em Prado, município com quase 30 mil habitantes e uma economia baseada no turismo e nas ações realizadas por meio da administração pública municipal, apesar da crise em todo o país, a prefeita reeleita, Mayra Brito, conseguiu encerrar seu primeiro mandato e, sobretudo, o ano de 2016, com equilíbrio financeiro.

“Ao contrário do que se repetiu em muitos municípios, em Prado enfrentamos a difícil missão de arrochar as contas públicas, apertar os cintos e cortar gastos. Como resultado disso, conseguimos encerrar o ano com as finanças em dia, pagando décimo terceiro e o salário de dezembro dentro do exercício financeiro de 2016”, afirmou a prefeita.

Ainda segundo a gestora, os pagamentos de fornecedores ou foram pagos até o dia 31 de dezembro ou ficaram em resto a pagar, com dinheiro em caixa suficiente para o pagamento. 

“Não foi fácil encerrar o ano com equilíbrio financeiro, porque as dificuldades foram muitas, mas administramos o dinheiro público com responsabilidade nestes quatro anos e fizemos aquilo que precisava ser feito. O resultado está ai. Encerramos o ano de 2016 sem dever ninguém e sem comprometer investimentos nas áreas do serviço público, com a realização de obras e tantos eventos nestes últimos anos”, destacou.

Para o ano de 2017, a palavra de ordem em todo o país ainda é o corte de gastos e a otimização da máquina pública. “Esse ano que começa não traz muitas esperanças de superação da atual crise financeira, por isso ainda é preciso administrar priorizando os serviços públicos e os investimentos fundamentais”, concluiu.

 

Por ASCOM